Após restauro, igreja mais antiga do litoral norte é reinaugurada

Trabalho foi acompanhado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (Iphae), e executado com recursos da Lei de Incentivo à Cultura (LIC).

Trabalho foi acompanhado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (Iphae), e executado com recursos da Lei de Incentivo à Cultura (LIC).

A Igreja São Domingos de Torres foi entregue à comunidade na manhã desta sábado (8), após sete anos de obras. O restauro foi acompanhado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (Iphae), e  executado com recursos da Lei de Incentivo à Cultura (LIC) do Estado. O secretário de Cultura, Turismo, Esporte e Lazer, Victor Hugo, compareceu ao ato, representando o governador José Ivo Sartori.

“Me sinto honrado de, nesta quadra do tempo e da história, estar aqui. Porque aqui temos a preservação do patrimônio cultural e do incentivo ao turismo”, afirmou o secretário, ao mesmo tempo em que listou todos aqueles que contribuíram, seja com recursos financeiros, seja com a qualificação técnica, para a excelência da obra. Victor Hugo aproveitou para defender a LIC, diante da ameaça de revogação de leis como esta. “Nós não podemos acabar com as leis de incentivo à Cultura, pois elas têm o protagonismo da sociedade. E nós vamos para este debate político, porque o Brasil não pode regredir. No RS, apesar dá crise, seguimos com R$ 35 mi investidos pela LIC a cada ano”.

O projeto é resultado da união de forças. Em 2010 a Mitra de Osório destinou R$ 60 mil para obras emergenciais. Em 2010, houve a aprovação de recursos da Lei Rouanet e, em 2011,  da LIC, em valores que passam de um milhão de reais. Para o secretário Victor Hugo “A obra restaura uma das mais antigas igrejas do litoral norte, com quase 200 anos de história. É o governo do Estado cumprindo o seu papel de fomento para a preservação da memória cultural do Estado”.

Construção religiosa mais antiga do litoral norte, a Igreja de São Domingos de Torres teve autorização para a construção em 1815. As obras iniciaram cinco anos depois, concluídas em 25 de outubro de 1824. Em 1983 a construção foi tombada como patrimônio histórico e cultural do Estado.

Tecnicamente, explica Mirian Sartori Rodrigues, diretora do Iphae, quem for visitar a Igreja terá boas surpresas. “Ao remover os rebocos que estavam saturados de umidade foi possível diagnosticar que a edificação foi construída em várias etapas, sendo que a primeira foi a nave principal, depois a capela-mor, que posteriormente foi ampliada tanto no comprimento quanto na altura. Também foram encontradas remanescentes de quatro vãos de esquadrias na capela-mor. Essas etapas ficaram  todas documentadas como ‘janelas’ do restauro para compreensão do bem e para que todos tenham acesso a esse conhecimento”.

Com o restauro, foram eliminadas patologias e tomadas medidas preventivas evitando danos futuros,  como a umidade ascendente com  a execução de drenos em todo o perímetro da edificação e as infiltrações na cobertura com a execução de subtelhado com chapa de alumínio e ventilação na cumeeira e nos beiras, permitindo a durabilidade da restauração.

Trabalho do Iphae

O Iphae, responsável por garantir a qualidade dos trabalhos de restauro em edificações tombadas, acompanhou as obras da Igreja São Domingos desde a elaboração do projeto, análise e aprovação. Além disso, teve papel importante na fiscalização da obra: em todas as etapas, como a confirmação do diagnóstico, remoção das estruturas deterioradas, consolidação e estabilização das alvenarias, retirada de todo o reboco externo e interno,  restauração das molduras, frisos e elementos decorativos da fachada. Além disso, foi realizada a execução de sanitários, inclusão de sanitário acessível, de rampa lateral, instalações elétricas e hidrossanitárias, restauração dos altares laterais, imagens sacras de madeira e gesso.  Sem contar a restauração do sino e da estrutura do coro, da instalação de luminárias e do nivelamento das pedras da escadaria e átrio.

Participaram do solenidade, além do secretário Victor Hugo e da diretora do Iphae Mirian Sartori Rodrigues, os prefeito de Torres, Carlos Alberto Matos de Souza, o Bispo de Mitra de Osório, Jaime Pedro Khol, e dos deputados Maria do Rosário e Edgar Preto, presidente da Assembleia Legislativa.