Com obras do acervo, Margs expõe os “Plural[ismos]” da arte gaúcha

"Natureza Morta", de Carlos Scliar, está entre as obras selecionadas

“Natureza Morta”, de Carlos Scliar, está entre as obras selecionadas

O Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli, dando continuidade ao programa de exposições do seu acervo permanente, apresenta: Uma Possível História da Arte no Rio Grande do Sul: Plural[ismos] no Sul. Os 16 trabalhos de artistas gaúchos permanece de 12 de abril a 9 de julho na Galeria Aldo Locatelli, com entrada franca.

Este módulo tem como objetivo principal mostrar a pluralidade na produção da arte no Rio Grande do Sul nas décadas de 1940, 1950 e 1960. A época foi marcada por discussões sobre o Modernismo, lançadas em São Paulo, na emblemática e questionadora de Semana de Arte Moderna em 1922. Os debates tiveram repercussões e desdobramentos no Sul, especialmente no plano das ideias, resultando em confrontos e questionamentos sobre o que é a arte moderna e por qual caminho os artistas deveriam seguir.

Tais debates influenciavam a produção artística, e a falta de consenso, aliada às diversas opiniões sobre a arte moderna, tornam-se perceptíveis ao observarmos as obras daquele momento, representadas na exposição. Embora muitos artistas não se intitulassem como modernistas e até mesmo se posicionassem contrários ao modernismo, suas obras, do ponto de vista formal, muitas vezes, passavam por atualizações estéticas e processos de modernização, originando essa multiplicidade de temas, técnicas e influências que identificamos na produção desse período.

O MARGS possui atualmente cerca de 4.000 obras catalogadas em seu acervo, que vão da primeira metade do século XIX até os dias atuais. São trabalhos que envolvem diferentes linguagens das artes visuais como pintura, escultura, gravura, cerâmica, desenho, arte têxtil, fotografia, instalação, performance, arte digital, design, entre outros. A coleção do museu é composta por arte brasileira, com ênfase na produção de artistas gaúchos, e também por obras estrangeiras, da qual conta com nomes significativos da arte mundial.

O MARGS funciona de terças a domingos, das 10h às 19h, sempre com entrada gratuita. Visitas mediadas podem ser agendadas com o Núcleo Educativo, através do email: educativo@margs.rs.gov.br.

ARTISTAS

João Fahrion (Porto Alegre/RS, 1898 – 1970)

Ado Malagoli (Araraquara/SP, 1906 – Porto Alegre/RS, 1994)

Aldo Locatelli (Villa d’Almé, Bérgamo/Itália,1915 – Porto Alegre/RS, 1962)

Enio Lippmann (Rio Pardo/RS, 1934)

Gastão Hofstetter (Porto Alegre/RS, 1917 – 1986)

Vasco Prado (Uruguaiana/RS, 1914 – Porto Alegre/RS, 1998)

Francisco Stockinger (Traun/Áustria, 1919 – Porto Alegre/RS, 2009)

Iberê Camargo (Restinga Seca/RS, 1914 – Porto Alegre/RS, 1994)

Carlos Petrucci (Pelotas/RS, 1919 – Porto Alegre/RS, 2012)

Carlos Scliar (Santa Maria/RS, 1920 – Rio de Janeiro/RJ, 2001)

Edgar Koetz (Porto Alegre/RS, 1914 – 1969)

Trindade Leal (Santana do Livramento/RS, 1927 – Porto Alegre/RS, 2013)

Léo Dexheimer (Porto Alegre/RS, 1935)

Antônio Caringi (Pelotas/RS, 1905 – 1981)

Paulo Flores (Porto Alegre/RS, 1926 – Santa Maria/RS, 1957)

SERVIÇO

Uma possível História da Arte do Rio Grande do Sul: Plural[ismos] no Sul

Local: Galeria Aldo Locatelli, no MARGS

Visitação: 12 de abril a 9 de julho de 2017

Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli

Localização: Praça da Alfândega, s./n.