Acordeonista Luciano Maia promove ‘Baile do Maia’ no Chapéu Acústico

Um dos mais respeitados acordeonistas do sul do país na atualidade, Luciano Maia se apresenta nesta terça-feira no Chapéu Acústico - Foto: Giovani Vieira

Um dos mais respeitados acordeonistas do sul do país na atualidade, Luciano Maia se apresenta nesta terça-feira no Chapéu Acústico – Foto: Giovani Vieira

O projeto Chapéu Acústico desta terça (8) recebe, a partir das 19h, na Biblioteca Pública do Estado (BPE), o “Baile do Maia”, novo projeto de Luciano Maia, que busca a modernização de uma antiga sonoridade da boa música instrumental produzida no Rio Grande do Sul a partir da década de 40. O músico fará o show mesclando o som de seu acordeon a uma gama de instrumentos: o baixo acústico de Miguel Tejera, o violão 6 cordas de Matheus Alves, o cavaco de Luís Arnaldo, a percussão de Giovani Berti e a bateria de Sandro Bonato.

Tendo por inspiração o som que se ouvia nos primeiros discos do Pedro Raymundo, Os Bertussi, Conjunto Farroupilha, Os Serranos na época em que as gravações eram feitas no eixo Rio-São Paulo, Maia revisita essa época em que a nossa música soava mais brasileira. Isso por conta dos “Regionais” das gravadoras ou das rádios que, sem barreiras, permitiam que os músicos da época, geralmente ligados ao choro e samba no Rio de Janeiro e à música caipira e modas de viola, em São Paulo, imprimissem sua visão e seu sotaque sobre a música produzida pelos artistas gaúchos.

Luciano Maia

Um dos mais respeitados acordeonistas do sul do país na atualidade, iniciou seus estudos musicais aos 9 anos, em Pelotas e aos 13, como autodidata, já era visto como fenômeno entre os que o ouviam nos festivais nativistas. Em 1995, já em Porto Alegre, com 15 anos, integrou o tradicional grupo de fandango Quero-Quero, com o qual participou da gravação do disco “Todo o Homem do Pampa”.

Em 1998 produziu seu primeiro CD solo pela gravadora ACIT, “Sonho Novo”, em que convidou o acordeonista e compositor Edson Dutra, fundador do grupo Os Serranos. Em 2001 gravou “Minha Querência”, com a participação especial do cantor Luiz Carlos Borges. Em 2005 constou no  “Gaitaço de Sucessos” (Galpão Crioulo Discos), projeto de regravações de músicas que são clássicos do cancioneiro gaúcho. Em 2007 veio o quarto CD,“Cruzando a Pampa”, pela USA Discos, indicado pelo jornal Zero Hora como um dos cinco melhores CDs regionais de 2007, que recebeu o Prêmio Açorianos de Música de Melhor Disco Regional.

Em 2009 lançou o álbum “Encomenda” (ACIT), que mescla músicas instrumentais com cantadas pelo próprio Maia, mostrando uma faceta pouco explorada. Este trabalho obteve indicação ao Prêmio da Música Brasileira na categoria Regional.  Em  de 2011 foi lançado, igualmente pela  ACIT, o CD “Talareando’’ que reúne canções  do artista apresentadas em diversos festivais nativistas do Estado e, em 2012, em parceria com o poeta Gujo Teixeira, lançou o CD  “Cordeona-me”, com adesão de grandes artistas gaúchos, e reconhecido no Prêmio Açorianos de Música como melhor disco regional do ano.

Em 2014 lançou um projeto de resgate da música regional gaúcha,  “A Gaita do Rio Grande”, que enfatiza nosso instrumento símbolo, através da obra dos mestres deste instrumento. Ainda lançou “Janelas ao Sul,  também  instrumental, com participações do acordeonista Bebê Kramer, do multi-instrumentista Arismar do Espírito Santo e texto de apresentação de Toninho Ferragutti. Em 2017 foi a vez do CD instrumental “ Balaio de Sons”,  com o violonista Gabriel Selvage, que teve turnê de lançamento em São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro e Porto Alegre.

Luciano já dividiu o palco com outros grandes músicos: Luiz Carlos Borges, Sérgio Reis, Gilberto Monteiro, Luiz Marenco, Oscar dos Reis, Lucio Yanel, Renato Borghetti, Os Fagundes, César Oliveira e Rogério Melo, Raul Barboza, Dominguinhos, Oswaldinho do Acordeon, Hermeto Pascoal, Arismar do Espírito Santo e Toninho Ferragutti. Seu nome aparece em mais de 100 discos, entre solo, parcerias, participações especiais, projetos culturais e gravações independentes. Como produtor musical, compositor e arranjador, acumula no currículo a produção de importantes trabalhos na região sul do Brasil. Atuou também como diretor musical do espetáculo “Galpão Crioulo 30 anos” da RBSTV e do “Natal Campeiro”, no Natal Luz de Gramado/RS.  De 2011 a 2013, atuou como solista do concerto “Piazzolla Coreografado”, da Orquestra de Câmara da Fundarte erecentemente no  ”Concerto para Acordeom de Radámes Gnattali “,no programa da Orquestra de Câmara do Theatro São Pedro, bem como Orquestra Unisinos.

Já apresentou seu trabalho em importantes projetos no Brasil e Europa, como Itaú Cultural; Mercado Cultural Mundial; O Brasil da Sanfona, Circular Brasil, Encontro Brasileiro do Acordeon, documentário “O Milagre de Santa Luzia – uma Viagem Musical pelo Brasil” conduzido por Dominguinhos, entre outros. A convite da embaixada brasileira, se apresentou em Londres e no Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça, em 2012.

Um dos fundadores do premiado grupo Quartchêto, que apresenta música instrumental inspirada nas raízes gaúchas, Luciano é também um dos compositores deste grupo que vem se apresentando em importantes palcos  no Brasil . Há pouco tempo esteve excursionando em turnê pela Alemanha e França, apresentando-se em importantes festivais de jazz. Reconhecido por sua atuação na música gaúcha, conquistou importantes prêmios do Rio Grande do Sul que o incentivaram a cumprir a missão de unir sucesso com qualidade: Prêmio Açorianos 2001 – Revelação; Troféu Tesoura de Ouro Comparsa da Canção; Prêmio Vitor Mateus Teixeira 2005 – Instrumentista; Prêmio Açorianos 2005, 2007, 2009 e 2012 – Instrumentista Regional e Prêmio Açorianos 2012- Compositor Regional. Seu indiscutível talento  ganhou o respeito do público e da crítica.

Serviço - ‘Baile do Maia”
Dia: 8 de agosto de 2017
Hora: 19h
Local: Biblioteca Pública do Estado/BPE (Riachuelo, 1190).
Informações e contato: produtor Marcos Monteiro (fones 3013-2236/99935-0608 e e-mail duearth@terra.com.br)
Contribuição espontânea